Psicomotricidade

Versão de impressãoSend by email

História e desenvolvimento

A Psicomotricidade surgiu em Portugal a partir da licenciatura em Educação Física na Faculdade de Motricidade Humana, na década de 80 do século XX. Inicialmente existia uma especialização em Educação Especial e Reabilitação (EER) que contemplava algumas noções básicas de psicomotricidade. No início dos anos 90, esta especialização foi separada da licenciatura de Educação Física e tornou-se uma licenciatura independente com três ramos de especialização, um dos quais foi designado por “Reeducação Psicomotora e Terapia”. Em 2002, a licenciatura em Educação Especial e Reabilitação, evoluiu para uma licenciatura específica em Reabilitação Psicomotora. Em 2006, uma nova licenciatura em Reabilitação Psicomotora foi criada na Universidade Fernando Pessoa e em 2007, mais três universidades criaram uma licenciatura em Reabilitação Psicomotora.
 

Organizações Profissionais

Em Portugal, existe apenas uma associação profissional, a Associação Portuguesa de Psicomotricidade (APP), fundada em Agosto de 2000. Esta organização tem objetivos científicos e profissionais e é responsável pela representação dos Psicomotricistas a nível nacional e internacional.

Ao nível internacional, Portugal está representado, nas duas principais organizações ligadas à Psicomotricidade. Desde 1989 que Portugal é membro da Organização Internacional de Psicomotricidade e Relaxação (OIPR) e foi um dos membros fundadores do Fórum Europeu de Psicomotricidade (FEP) em 1996.
 

Formação

De acordo com o Regulamento Profissional actualmente em vigor, o Psicomotricista é o profissional com uma formação de, pelo menos, 1º Ciclo, em Psicomotricidade. Existem cinco universidades portuguesas que têm uma licenciatura em Reabilitação Psicomotora, que habilita para o exercício profissional em Psicomotricidade. A saber:

Setor público:

Faculdade de Motricidade Humana (FMH) / Universidade Técnica de Lisboa - www.fmh.utl.pt/ 
http://www.fmh.utl.pt/index.php?option=com_content&;view=article&id=65&I...

Diário da República, 2.ª série — N.º 62 — 30 de Março de 2010

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) - www.utad.pt/
http://www.utad.pt/vPT/Area2/Escolas/ECVA/oferta_educativa/1ciclo/Pagina...

Diário da República, 2.ª série — N.º 57 — 23 de Março de 2010

Universidade de Évora (UE) - www.uevora.pt/ 
http://www.estudar.uevora.pt/Oferta/licenciaturas/curso/%28codigo%29/171

Diário da República, 2.ª série — N.º 60 — 26 de Março de 2008

Setor Privado:

Fernando Pessoa (UFP) - www.ufp.pt/
http://www.ufp.pt/index.php?option=com_content&;view=article&id=152%3Are...

Diário da República, 2.ª série — N.º 159 — 19 de Agosto de 2008

Instituto Piaget (IP) - www.ipiaget.org/ 
http://www.ipiaget.org/licenciaturas/instituto-universitario/motricidade...

Diário da República, 2.ª série — N.º 11 — 18 de Janeiro de 2010

A FMH, a UTAD, a UE e a UFP têm uma licenciatura em Reabilitação Psicomotora de 6 semestres de estudos e 180 ECTS. O IP possui uma licenciatura em Motricidade Humana com 3 anos de estudos (180 ECTS) e um semestre opcional em Psicomotricidade com 30 ECTS.

O número anual de licenciados em Reabilitação Psicomotora na FMH é de 50, na UTAD e na EU é de 30, na UFP e no IP é de 20; o que significa que todos os anos são formados aproximadamente 120 Psicomotricistas.

O Psicomotricista poderá continuar a sua formação de nível superior, frequentando uma formação de 2º Ciclo. Actualmente existem já dois Mestrados em Psicomotricidade, ambos no sector público, com quatro semestres letivos (120 ECTS):

Faculdade de Motricidade Humana (FMH) / Universidade Técnica de Lisboa – Mestrado em Reabilitação Psicomotora 
http://www.fmh.utl.pt/index.php?option=com_content&;view=article&id=93:m...
http://dre.pt/util/getpdf.asp?s=udrd&;serie=2&iddr=62.2010&iddip=2010018277

Universidade de Évora (EU) – Mestrado em Psicomotricidade Relacional

Para além da formação com carácter profissionalizante, o Psicomotricista poderá ainda fazer formações em áreas específicas da Psicomotricidade, como as proporcionadas pela APP através da sua Comissão de Formação, que anualmente apresenta um plano de formação. Estas formações procuram responder às necessidades manifestadas pelos Psicomotricistas em exercício ou em formação, em todas as regiões de Portugal. Nos últimos anos a oferta formativa tem abrangido temas como a Psicomotricidade no Meio Aquático, a Psicomotricidade nas Dificuldades de Aprendizagem, a Psicomotricidade na Saúde Mental, a Psicomotricidade em Idade Pré-Escolar, entre outras.
 

Prática Profissional

Os Psicomotricistas podem exercer a sua actividade profissional no âmbito terapêutico, reabilitativo, reeducativo e/ou preventivo, nas mais diversas situações ligadas a problemas de desenvolvimento e de maturação psicomotora, de comportamento, de aprendizagem e de âmbito psico-afectivo.

A Intervenção Psicomotora destina-se a todos os grupos etários e utiliza diversas metodologias: técnicas de relaxação e consciência corporal, terapias expressivas, actividades lúdicas, actividades de recreação terapêutica, actividade motora adaptada e actividades de consciencialização motora, associando sempre a actividade representativa e simbólica.

Os Psicomotricistas desenvolvem o seu trabalho nos sectores público e privado, incluindo: jardins-de-infância, escolas, escolas de ensino especial, centros de dia, instituições para pessoas com deficiência, residências para crianças e jovens, hospitais gerais e psiquiátricos, instituições de inserção social, associações desportivas, projetos municipais, centros de atividades, instituições para pessoas idosas e clínicas privadas.

A profissão de psicomotricista está regulamentada nas Instituições Particulares de Solidariedade Social, (ver abaixo anexo "Boletim do Trabalho e Emprego 31, 22_8_2015"), mas ainda não está regulamentada pelo ministério da educação e pelo ministério da saúde; como tal, a APP continua a desenvolver várias iniciativas para promover a regulamentação da profissão pelas entidades competentes do Estado Português e para divulgar a especificidade da profissão junto das entidades privadas empregadoras.